B&F Dias se associa à Aladyr
25 de novembro de 2017
Sopradores parafusos
15 de janeiro de 2018

Os sopradores de ar são parte importante no funcionamento e eficiência do sistema de aeração em uma ETE.

Os sopradores são os equipamentos responsáveis pela geração de ar para utilização nos sistemas de aeração por ar difuso nas estações de tratamento de efluentes.

Para novos projetos, o valor aproximado para aquisição pode ser superior a 10% do valor total da planta, especialmente se for de pequeno porte. Sob a ótica operacional, podem representar mais de 60% do consumo energético da estação de tratamento de efluentes.

Atualmente, no mercado, existem tecnologias e diferentes modelos de sopradores. Os mais aplicados para a aeração por ar difuso são os tipos roots, parafuso e centrífugo, nessa ordem.

Tamanha a importância desses equipamentos, alguns cuidados precisam ser tomados para que a implantação seja um sucesso.

 

Veja mais cuidados na implantação de sopradores roots nos sistemas de aeração por ar difuso

Ao escolher o modelo mais indicado para a estação de tratamento de efluentes (ETE), é preciso atentar para a correta implantação do equipamento. Cada modelo ou fabricante atua com recomendações específicas, que devem ser minuciosamente esclarecidas e demonstradas aos responsáveis da área de operação e manutenção da ETE.

Roberto Silvestre, da VaxFluz, representante no Brasil dos sopradores da marca espanhola Pedro Gil, elenca alguns cuidados e procedimentos para os sopradores roots:

– Garanta uma base em concreto com bom nivelamento;

– Verifique a distância mínima entre os equipamentos de modo ser possível realizar as manutenções necessárias;

– Atente para o alinhamento e a distância da conexão da tubulação de recalque;

– Garanta a instalação de monovia ou ponte rolante para remoção e manutenção dos sopradores no caso de manutenção ou troca de equipamento;

– Atente para a climatização da sala dos sopradores. A temperatura não deve ultrapassar os 45°C. Em locais mais quentes deve-se prever a instalação de um sistema de exaustão e entrada de ar adequados;

– Providencie a instalação de válvula borboleta na tubulação de recalque para eventual manutenção de equipamento.

– Evite interligações tangenciais a 90º.

– Fique atento ao sentido do fluxo para instalações de máquinas em série.

– Providencia a instalação de máquina reserva para sistema que requer trabalho contínuo para manutenção do equipamento.

Silvestre ainda alerta a importância da presença de um técnico responsável doo fabricante no local da instalação no momento da partida.

Bruno Dinamarco, da B&F Dias, maior empresa de sistemas de aeração da América Latina, alerta sobre a importância de adotar um caminhamento da tubulação de interligação entre os sopradores e o sistema de aeração  com a existência de um sifonamento mínimo de 1,0 m acima da lâmina de água do tanque de aeração para garantir a impossibilidade de retorno do efluente até os sopradores, caso ocorra uma falha na aeração.

O número de sopradores de uma planta também é uma questão que precisa ser verificada. “Algumas situações são claras quanto a quantidade de sopradores a serem instalados, mas em alguns projetos é necessário um estudo mais profundo de CAPEX e OPEX, complementa Dinamarco.

Após a instalação e antes de colocar os sopradores em funcionamento, é preciso tomar alguns cuidados. Para o caso dos sopradores tipo roots, veja algumas recomendações complementares da VazFlux:

– Ao ligar o motor elétrico, verifique qual é tipo de partida que será realizada e verifique as ligações nas caixas de bornes. É necessário consultar os dados técnicos e de funcionamento apresentados na placa de identificação e no diagrama de ligações.

– O motor está instalado sobre uma base basculante. Não se esqueça de deixar o comprimento do cabo suficiente para trocar as correias e tencioná-las.

– Faça o abastecimento de óleo lubrificante nos carters.

-Verifique se os plugs de abastecimento e esvaziamento de óleo foram devidamente apertados.

– Faça o controle do sentido da rotação do soprador de acordo com a seta no cárter e capa protetora do soprador.

– Verifique se as tubulações de instalação não estão bloqueados por quaisquer objetos e se todas as válvulas estão abertas.

– Em caso de detectar algum vazamento na válvula de segurança, verifique se as válvulas do processo estão abertas e/ou proceder com seu fechamento.

– Com a unidade em funcionamento nas condições de trabalho, certifique-se que a corrente do motor nominal indicada na placa de identificação do motor não seja ultrapassada.

Dicas para manutenção dos sopradores roots em sistema de aeração por ar difuso

Depois de instalados e já funcionando, é preciso estar atento à manutenção correta dos sopradores de ar. Confira o que deve observado, no período de manutenção desses equipamentos, segundo a VazFlux.

– Temperatura da operação dos sopradores (mancais, cárteres, entrada, saída, etc).

– Controle do nível de óleo para evitar possíveis vazamentos.

– Medição de vibração.

– Saturação do elemento filtrante

– Regulagem da válvula de alívio.

– Verificação da transmissão (alinhamento e tensionamento das correias).

– Visualização dos instrumentos opcionais como: indicador de saturação do elemento filtrante, vacuostato, pressostato, termostato de recalque e da cabine acústica entre outros.

Gostou destas dicas? Então, compartilhe este artigo com seus contatos!